A Fonte da Música

Trechos da tradução do livro de Sri Chinmoy

Capítulo 1


Se pudermos sentir que
Não é nossa voz,
Não são nossos dedos,
Mas sim uma realidade profunda
dentro de nosso coração
Que está se expressando,
Conheceremos que tal é
A música da alma.

A música exterior
Se origina de um instrumento exterior.
A música interior
Vem do coração,
E o nome dessa música interior
É unicidade.

Música é a linguagem interior ou universal de Deus. Eu não sei francês, alemão ou italiano. Mas quando a música é tocada, imediatamente o coração da música entra no meu coração, ou o meu coração entra na música. Nessa hora, não é necessária uma comunicação externa; a comunhão interior do coração é suficiente. Meu coração estará comungando com o coração da música, e nessa comunhão nos tornaremos inseparavelmente unos.

No mundo espiritual, próximo à meditação está a música, a essência da música. Meditação é silêncio, energizante e preenchedor. Silêncio é a eloqüente expressão do inexpressível. Como disse Aldous Huxley: “Depois do silêncio, aquilo que mais se aproxima do inexpressível é a música.”

O silêncio é a fonte de tudo. É a fonte da música e a própria música. É a mais profunda e satisfatória música do Supremo. O silêncio é como um pequeno córrego, que flui e se torna um riacho; continua seguindo, por outros rumos, tornando-se então um rio; e ainda corre em direção ao mar, onde se expande completamente.

O silêncio é o ninho e a música é o pássaro. O pássaro deixa seu ninho nas primeiras horas da manhã e retorna à noite. No mundo da espiritualidade, a música divina se origina da mais profunda alma do silêncio.


Música Sublime

A música sublime num instante desperta e inspira nossos corações, pois ela incorpora o Absoluto Supremo. Música sublime é a Luz que quer expressar-se de uma maneira divina. Assim como a escuridão deseja manifestar sua autoridade na Terra, a Luz deseja manifestar sua Realidade e Divindade. A Luz é a alma de tudo. Luz é a alma da música, Luz é a essência do amor e Luz é a substância de toda arte. Quando a Luz manifesta-se divinamente em forma de música, sabemos que tal é a música da alma.

Música significa unicidade. É a expressão da nossa verdadeira Existência. O Eu expande-se através da música. O Eu que expande não é o eu individual, mas a Existência ilimitada. Música é a extensão da Realidade ilimitada.

Poderemos usar a música como um auxílio em nossa vida espiritual ao conhecermos que a vida espiritual e a música são irmãs gêmeas, inseparáveis em essência. Como poderíamos separar dois dedos, dois olhos? Eles ficam um ao lado do outro. Também a música e a vida espiritual devem seguir juntas. Uma complementa a outra. A música auxilia o buscador a mergulhar fundo em si mesmo para encontrar verdadeira satisfação em sua vida, na verdade e na realidade. A vida espiritual, por sua vez, apóia a música no oferecimento de sua capacidade e força – que é aale ueno corrego ea luz da alma –, para o mundo inteiro.

Ouvindo ou tocando música sublime, nossa existência interior imediatamente se eleva ao alto, mais alto, altíssimo. Ela sobe e alcança algo além. Esse Além constantemente tenta nos ajudar, guiar, moldar e fazer de nós a nossa própria imagem transcendental, nossa verdadeira divindade. Ao ouvir ou executar música devotada, sentimos uma espécie de enlevo em nossa existência, das solas dos pés até o topo da cabeça. Através de nós flui um rio, um rio de consciência, e essa consciência é todo o tempo iluminada.


A Mente e os Sentidos

Nossos sentidos são inquietos; portanto, nossa mente sofre. A mente é cheia de dúvidas; assim, nossos sentidos sofrem. Não há nela força ou capacidade suficientes para restringir ou disciplinar os sentidos. É onde a música vem ao auxílio da mente. Com a ajuda da música, a mente restringe e disciplina os sentidos, transformando-os em instrumentos perfeitos, de forma que possam ser inundados com a paz, luz e beatitude das alturas.

Por outro lado, se a mente se enche de dúvidas, vertendo profusamente o veneno-dúvida, também os sentidos não têm a capacidade de inspirar fé na mente. E novamente a música vem ao socorro. Os sentidos recebem a ajuda da música para sua transformação e iluminação. Quando estão tranqüilos e serenos, a mente duvidosa transforma-se completamente e torna-se parte inseparável do coração, o qual é todo receptividade. Nessa hora, o Piloto Interior – o Músico Supremo – pode manifestar-Se poderosa, infinita e graciosamente. Enquanto Ele Se manifesta em e através de nós, a música divina se torna parte de nossa existência, e nos tornamos perfeita Perfeição. Assim, em e através de nós o Músico Supremo cria um novo mundo. Tornamo-nos a música divina, e uma nova visão da Realidade transcendental de Deus opera em e através de nós.


A Luz e Deleite da Alma

Música devotada proporciona deleite ao invés de excitação vital. Emoção vital é uma coisa, e deleite da alma é outra. O deleite da alma é muitíssimo intenso, poderoso, mas, ainda assim, não cria no corpo nenhum tipo de prazer não-divino, sensual. O que ele faz é transportar nossa existência para o Altíssimo, como um balão, e quando então o balão se rompe, você está nadando no mar de bem-aventurança. Música devotada é a música que eleva nossa consciência imediatamente ao Absoluto, ao Altíssimo. Porém a música comum, música vital, pode na verdade abaixar nossa consciência. Por um fugaz segundo, obtemos uma espécie de prazer; mas então esse prazer nos leva a uma consciência vital inferior. A música sublime nos leva ao mundo da aspiração. Da aspiração seguimos para o mundo da realização, onde nossa existência interior é inundada de luz e deleite.


O Poder da Música

A música sublime e espiritual é um auxilio genuíno. Ela alimenta a nossa vida interior. A música possui grande poder. Com o fogo podemos nos queimar, mas também podemos cozinhar e fazer muitas outras coisas boas. É o mesmo com a música. Música divina imediatamente eleva nossa consciência, ao passo que a música não-divina abaixa nossa consciência e tenta destruir nosso anseio interior por uma vida espiritual mais elevada. Uma pessoa espiritual será imediatamente afetada por essa música. A música pode de fato transformar nossa consciência, contanto que seja a música que se origina do coração e serve ao coração. A música que toca as profundezas absolutas de nosso coração é a música que pode elevar nossa consciência.


Perguntas e Respostas


Como uma pessoa pode manifestar a mais elevada e alegre música que há em sua alma enquanto toca um instrumento?

Enquanto tocar o instrumento, sinta que a música é a linguagem universal. Sinta que ela tem e é a chave para a Porta-Coração do Supremo. A música é a única que possui acesso livre para abrir a porta do Coração universal do Supremo. Com esse sentimento o músico em você será capaz de manifestar o Altíssimo.

Quando, nas primeiras horas da manhã, você se senta a meditar devotadamente, você acaba se encontrando num mundo mais elevado, um mundo de divina realidade, perfeição e satisfação. É possível trazer esse mundo para a sua música de uma maneira real e natural. Enquanto inspirar e expirar, tente sentir que é seu alento-vida que você está oferecendo ao seu instrumento. O seu alento-vida é algo muito precioso. Tenha o sentimento de que está oferecendo o que há de mais precioso em sua vida para o instrumento que será utilizado.

Quando o Supremo o criou, Ele lhe deu uma parcela de Sua Realidade e de Sua Divindade. Esse foi o supremo sacrifício. Agora, sinta que é você quem está criando algo para o mundo. Você dá ao seu instrumento algo de si – algo verdadeiramente precioso e luminoso, algo que é parte integrante da sua própria existência. Você é o instrumento do Supremo. Ele o está utilizando, e você usa algo também, o seu próprio instrumento. Isso levará apenas alguns segundos, e não precisa ser feito com todas as cordas do instrumento. Basta um vislumbre sobre uma ou duas cordas, e perceber lá o seu alento-vida. Em seguida, ofereça a sua gratidão ao Supremo – que lhe concedeu essa vida – e sinta que uma porção dela é consagrada ao instrumento. O Criador criou você sacrificando uma parcela de Sua Realidade. E agora Ele lhe pede que igualmente você crie algo.


Qual o dever supremo de um artista ou músico?

O dever supremo de um artista ou músico é meditar antes de criar algo e, enquanto cria, manter uma consciência divina e contemplativa. Quando então a criação for completa, ele imediatamente a oferecerá ao Supremo. Independentemente do que disserem os outros sobre a sua obra, tão logo ela esteja completa, o artista a oferecerá ao Supremo, para que Ele a utilize à Sua própria maneira. Esse é o supremo dever de um músico ou artista espiritual.


Qual a melhor forma para se tornar um com a música plena de alma?

O melhor modo para se identificar com a música plena de alma é possuir a firme convicção interior de que, enquanto inspira, o ar segue diretamente para a sua alma. E junto da respiração, sinta que a Consciência Universal, a Realidade divina, a Verdade divina entra em você. Quando soltar o ar, imagine que está expirando a ignorância que cobre a sua alma. Sinta os véus de ignorância sendo erguidos e afastados. Visualizar isso conscientemente é a melhor maneira para se tornar um com a música devotada.


Qual será o papel da música no estabelecimento da unicidade mundial?

A música cumprirá um papel muito importante no processo da construção da unicidade mundial, pois ela traz em si o Coração Universal, o coração-unicidade. A música transcende a barreira das nações, nacionalidades e religiões. Música é luz universal e verdade universal, e também incorpora a realidade-unicidade, a qual podemos enxergar no amor, luz, consciência e despertar universais. E esse despertar universal podemos encontrar dentro de toda a música. A música terá um papel relevante e significativo no estabelecimento da paz mundial, pois a música é o elo entre o Uno e o todo, e entre o todo e o Uno.

Através da música, o sentimento de unicidade universal é conquistado num piscar de olhos.


A música espiritual é aquela que nos faz pensar mais em Deus?

Digamos, pensar mais em satisfação, luz e deleite. Existem muitos músicos que não acreditam em Deus, mas acreditam em satisfação, alegria e deleite. Ao executar música divina, música espiritual, você está destinado a proporcionar e obter satisfação.